Notícias

Debate da Record

Aécio reforça compromissos com Bolsa Família, educação e segurança

Candidato propôs o fortalecimento do Bolsa Família, a criação da Nova Escola Brasileira e o aumento de investimentos na segurança pública

Publicado em 20 de Outubro de 2014 10h00



O candidato à Presidência da República da Coligação Muda Brasil, Aécio Neves, garantiu neste domingo (19/10) que vai fortalecer o Bolsa Família e reiterou o compromisso de criar a Nova Escola Brasileira, além de elevar os investimentos em segurança pública.

Durante debate promovido pela Rede Record, Aécio se comprometeu a garantir que todas as crianças tenham vaga na pré-escola, ampliar a escolas em tempo integral e flexibilizar o currículo do ensino médio. “É prioridade absoluta da nossa ação de governo que todas as crianças até 4 anos de idade tenham uma vaga garantida na pré-escola. A partir daí, temos que qualificar a escola. Por isso, eu proponho criarmos a Nova Escola Brasileira, uma escola que funcione, que ensine. Nós queremos avançar nas escolas de tempo integral”, afirmou o candidato, lembrando que sua gestão em Minas Gerais foi que levou o Estado a ter, hoje, a melhor educação fundamental do país.

A proposta da Nova Escola Brasileira, de acordo com Aécio Neves, inclui o resgate de cerca de 20 milhões de jovens que estão fora das aulas para que voltem à escola e concluam os estudos. “É o único caminho para se integrarem ao processo de desenvolvimento do país, inclusive do desenvolvimento social. E vamos avançar”, afirmou.

Como o diagnóstico dos problemas da educação é amplo, Aécio propõe ações que englobem a maior atratividade ao ensino médio, o fortalecimento do ensino superior e a melhoria do ensino profissionalizante. No caso das escolas técnicas, por exemplo, reportagem da Folha de S.Paulo deste domingo mostrou que uma auditoria inédita da Controladoria Geral da União no Pronatec afirma não ser possível precisar quantos alunos assistem de fato às aulas e como foram gastos os recursos repassados pelo governo federal às escolas. 

“Infelizmente, o Pronatec, que é uma bela experiência, não vem sendo administrado da forma que deveria, os jornais de hoje mostram isso. As pessoas se matriculam, saem alguns dias depois, mas continuam na estatística do seu governo. Vamos manter o Pronatec, porque ele é importante. Ele é uma inspiração, candidata, no PEP em Minas Gerais e nas ETECs aqui em São Paulo”, afirmou Aécio. 


Bolsa Família e Segurança Pública

Aécio comprometeu-se com o fortalecimento do Bolsa Família e demonstrou indignação com o fato de a presidente Dilma tentar personificar o programa como sendo dela, ao se referir a ele como “meu Bolsa Família”. Aécio Neves respondeu: “Candidata, não faça isso com os brasileiros. ‘Meu Bolsa Família’? Não é ‘seu Bolsa Família’, o Bolsa Família é daqueles brasileiros que mais precisam, espalhados por esse país, e vivendo esse terrorismo pré-eleitoral de que o programa vai acabar se os adversários vencerem as eleições”, afirmou Aécio.

Aécio voltou a lembrar que o Bolsa Família é um programa que unificou outros já existentes na época do governo Fernando Henrique Cardoso, como o Bolsa Alimentação, Vale Gás, Cadastro Único e Bolsa Escola. “Nós não queremos ser donos disso. O Bolsa Família é do povo brasileiro. Esta é, talvez, também uma marca perversa do PT, achar que os programas sociais lhe pertencem. Por isso eu apresentei uma proposta para que o Bolsa Família se transformasse num programa de Estado, definitivamente incorporado à LOAS,  Lei Orgânica da Assistência Social,  mas infelizmente seu partido votou contra”, afirmou. 

A blindagem do Bolsa Família tem como objetivo evitar que o programa seja utilizado de maneira eleitoral entre os adversários. Aécio também propõe blindar a Segurança Pública, proibindo o contingenciamento dos recursos da área e a transferência por décimos para os Estados. “Eu quero fortalecer a Polícia Federal, que tem seu pior orçamento dos últimos cinco anos na área de investimento e quero fazer com que as Forças Armadas, também equipadas e valorizadas, sejam parceiras para controlarmos as nossas fronteiras”, afirmou.

Para Aécio, o programa de controle das fronteiras de Dilma gastou nos últimos três anos apenas R$ 1 bilhão. “Isso é quase nada, candidata, e nós sabemos que a droga que mata no Brasil vem dos nossos vizinhos. Eu quero, sim, rediscutir o Código Penal, o Código de Processo Penal. No meu governo, diferentemente do que aconteceu nesses últimos 12 anos, eu não vou terceirizar responsabilidades. Eu vou conduzir pessoalmente uma política nacional de segurança, integrada com os Estados e com os municípios, com investimentos e com inteligência”, afirmou.

Ainda sobre segurança, a candidata Dilma usou um dado mentiroso ao dizer que dos 853 municípios de Minas Gerais, apenas 443 possuem delegacias. A afirmação é inteiramente falsa, como já constatou o jornal O Globo. Apenas 18 municípios mineiros não têm delegacias.